A Rúcula

A rúcula é cada vez mais utilizada nas saladas portuguesas, ora simples, ora combinada com a alface.

É simples cultivar a rúcula. Semear, esperar e colher!

As variedades mais conhecidas são a cultivata e a selvática. A cultivata tem folhas maiores. A selvática tem um sabor mais forte. Por isso, é só escolher, conforme o gosto.

Na varanda prepare um vaso grande, de preferência retangular. Semeie a rúcula por meados de maio e aguarde. Mantenha a terra sempre húmida, mas sem encharcar. Assim que começarem a crescer verifique se estão bem distribuídas no vaso. Se tiver algumas  plantas a crescer encavalitadas, o melhor é tirar algumas, para que, as que ficam, possam crescer sem grande concorrência.

Repare que as primeiras folhas da rúcula não se parecem nada com ela. Nesta fase chamamos plântulas em vez de plantas. Só quando nascem as folhas verdadeiras é que reconhecemos a nossa rúcula.

Não requer grandes cuidados e aguenta bem se nos esquecemos de regar. Penso até que se dá melhor com pouca água. Nunca regue demais, deixe a terra secar antes de regar de novo. Isto aplica-se a plantas adultas. Quando está em crescimento deve ter mais cuidados e não deixar secar em demasia.

Quando começarem a ganhar folhas suficientemente grandes para comer, comece a cortar algumas para consumo. Nunca arranque a planta, em vez disso, vá cortando folhas. Desta forma, a planta continua a dar novas folhas e terá rúcula para todo o verão. Porque uma salada exige alguma quantidade de folhas, é importante que o vaso seja grande, mais em área que em profundidade.

A rúcula pode crescer bastante, cerca de 50cm ou mais, mas com essa altura tem tendência a ficar tombada. Quando começa a atingir alguma altura, podem começar a aparecer as flores. Se ainda está no inicio do verão e pretende prolongar o consumo da sua rúcula, corte as hastes que estão a dar flor e a planta continuará a dar folhas.

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, a rúcula não acaba com o fim do verão. Na Horta do Sol deixamos a rúcula do ano passado no terreno. Apenas aparamos para o inverno. Na primavera, para surpresa nossa, as mesmas plantas começaram a dar novas folhas. Para além disso, as flores do ano anterior, deixaram cair as suas sementes na terra, que agora germinaram e estão a crescer. Assim, voltamos a ter um canteiro farto em rúcula, sem ter que semear de novo.

A flor da rúcula selvática é amarela. Da flor nasce uma vagem muito pequena e, dentro dela, cerca de 20 pequenas sementes.  Se pretende guardar semente para o ano seguinte, arranque a vagem quando ela já está seca, mas antes de abrir. Se deixar secar demais, a vagem abre, e as sementes caem na terra. Se a vagem estiver ainda verde, as sementes ainda não têm maturidade para serem guardadas.

Após colher as vagens, abra-as cuidadosamente e retire as sementes, que são escuras e muito pequenas, do tamanho de grãos de areia. Guarde-as num saco plástico ou papel de alumínio, para proteger da humidade e conserve-as em local escuro.

No próximo ano, por meados de maio, repita o processo.

Boas saladas!

Sobre lubaia

I'm an Agile player and a Gardener
Esta entrada foi publicada em Aromáticas, Condimentares, Jardim com as etiquetas , , . ligação permanente.

2 respostas a A Rúcula

  1. Há necessidade de mudar as ruculas germinadas após elas nascerem, ou não háa necessidade de fazewr isto.

    • admin diz:

      A rúcula não necessita de ser transplantada. Pode ser semeada em local definitivo. Mas também é possível transplantar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s